Pesquisar
Close this search box.

“Profissão: sebista em Aracaju”. Assista à videorreportagem da Mangue Jornalismo

ANA PAULA ROCHA (@anapaula._.rocha) e BRUNO COSTA, da Mangue Jornalismo

Brasileirismo surgido no século XX para denominar locais de venda de livros usados, o termo “sebo” é hoje muito popular no vocabulário de leitores que procuram economizar nas compras e garimpar obras raras, como edições antigas e livros há muito fora do catálogo das editoras.

Em Aracaju, o número de profissionais que trabalham com sebos – os sebistas – tem crescido ano a ano. Prova disso é o Coletivo Arandu, lançado em abril de 2023, e que atualmente reúne nove sebos. Desde agosto do ano passado, o coletivo organiza a Feira de Livreiros e Sebistas de Aracaju (FELISE), normalmente realizada uma vez por mês no Parque da Sementeira.

 A iniciativa faz parte da reivindicação dos livreiros independentes de Aracaju por visibilidade em locais públicos. “A nossa luta incansável – que chega até a ser uma coisa meio idealista – é brigar para que o livro não morra, não desapareça”, sintetizou Beto Almeida, administrador do @sebobetoalmeida.

A Mangue Jornalismo esteve em uma das recentes edições do FELISE e conversou com outros três sebistas expositores sobre como é abraçar essa profissão na capital sergipana. A reportagem completa pode ser assistida no vídeo abaixo.

Em janeiro deste ano, a Mangue deu início à coleta de informações para lançar um mapa interativo dos sebos e sebistas de Sergipe. O formulário continua aberto, e pode ser acessado aqui por quaisquer sebistas que desenvolvem atividades no estado.

Isso aqui é importante!

Fazer jornalismo independente, ousado e de qualidade é muito caro. A Mangue Jornalismo só sobrevive do apoio das nossas leitoras e leitores. Por isso, não temos vergonha em lhe pedir algum apoio. É simples e rápido! Nosso pix: manguejornalismo@gmail.com

Deixe seu comentário:

Assine a Catado da Mangue

Receba a nossa Newsletter gratuitamente!

Revista Paulo Freire

Todo mês, uma nova edição.

E-book ‘’Água: um direito humano essencial não pode ser privatizado’’

Compartilhe a reportagem

Assine a Catado da Mangue:

Receba gratuitamente a nossa newsletter.
Pular para o conteúdo