Pesquisar
Close this search box.

Os 60 anos do Golpe de 1964. Uma reflexão em 2024 sobre o esquecimento das prisões, torturas, exílios e assassinatos e as esquerdas atuais

ROMERO VENÂNCIO, especial para Mangue Jornalismo
@romerojunior4503

Aviso de saída: o tom será todo pessoal dessa breve (e talvez inútil) reflexão.

Este texto publicado aqui na seção Perspectiva da Mangue Jornalismo foi motivada por algumas leituras, alguns depoimentos escutados e o contato com pessoas que foram torturadas na época da ditadura pós-64 e que ainda estão vivas numa tentativa difícil de ter sobrevivido a todo um terror quase inimaginável e inenarrável.

Percebo como o envelhecimento das pessoas que foram torturadas também significa um maior esquecimento das barbaridades que viveram no passado.

É como se a cada geração mais nova no campo das esquerdas, o esquecimento se tornasse maior e a distância com a época do terror vai se tornando cada vez mais real. No máximo têm informações pelos livros ou alguns filmes.

Mas nada disto parece ser fundamental em suas vidas.


Tema formal e protocolar nas esquerdas atuais

O tema das prisões, exílios, torturas e assassinatos no pós-64 e a relação com as pessoas que sofreram todas essas brutalidades, está se tornando cada vez mais formal e protocolar nas esquerdas atuais.

Não vejo este comportamento como desonesto da parte das “novas gerações das esquerdas”. Mas como uma espécie de “espírito de época”.

Nossa época vive na imensa velocidade das redes digitais e esta velocidade passa a ser um tipo de comportamento de se envolver na política, ficar acelerada com as eleições parlamentares, em buscar cargos e posições.

Essa esquerda sabe da memória, mas não se envolve com ela. Quando se envolve é como naqueles eventos protocolares de mesas arrumadas e pessoas bem vestidas para falarem obviedades treinadas.

A cada década, lembrar/falar dos/das torturados/as e que sobreviveram entre as atuais esquerdas, se torna um “peso” ou uma “obrigação”. Como uma aula que se ministra, mas que não envolve, que não engaja.

A velha questão: que adianta o crime de tortura ser considerado pelas esquerdas imprescritível, mas cair cotidianamente no esquecimento? O crime de tortura não é apenas um conceito, mas um conceito que envolve corpos (alguns ainda vivos).

Estas breves notas me vieram após ver dois documentários. Sobre pessoas concretas, homens e mulheres, que combateram a ditadura com seus corpos jovens nos anos 60 e 70, que foram presos, que foram torturados, que foram exilados, que souberam de corpos desaparecidos de seus camaradas…


“Alma clandestina”.

Primeiro. Um documentário que sempre me comove. Trata-se de: “Alma clandestina”. Um filme sobre a vida de Maria Auxiliadora Lara Barcelos que foi uma militante política, que lutou contra a ditadura militar instaurada no Brasil em 1964.

Presa, torturada e banida do país, Maria Auxiliadora Lara Barcelos acabou por se suicidar durante o exílio em Berlim em 1976. Uma biografia imagética em tom melancólico, sensorial e emocional de uma alma que foi, por tempo demais, clandestina. E continua sendo clandestina e cada vez mais invisibilizada.

Segundo. O marcante, “Eu me Lembro”. Um documentário sobre os cinco anos das Caravanas da Anistia e que procura reconstruir a luta dos perseguidos por reparação, memória, verdade e justiça, com imagens de arquivo e de entrevistas. Foi um honrado trabalho do Ministério da Justiça e Segurança Pública em 2014. Lembrava àquela época os 50 anos do golpe de 1964. Governava o país, a presidenta Dilma Rousseff.

Logo após ver os filmes e pensar um pouco, me veio a seguinte constatação: deve ser um horror para quem foi torturado/torturada e sobreviver num país em que nenhum torturador (ainda vivo) foi julgado e preso. Alguns têm cargos ou privilégios através do próprio Estado. Deve ser terrível demais. Dolorido demais.

Por fim, tenho tomado como comportamento pessoal uma atitude: sempre que converso com alguns jovens nas escolas, universidades, igrejas ou mesmo nas ruas, procuro perguntar o que sabem sobre o golpe de 1964 e a ditadura que veio no pacote… Geralmente, sabem pouco. Imediatamente recomendo que leiam esse ano ainda (por conta dos 60 anos do golpe de 1964!!!) o livro “Brasil, nunca mais”. Somente isto. E somente este livro. Tem em PDF, inclusive. Como um trato de pensarmos juntos.


Romero Venâncio é graduado em Teologia pelo Instituto de Teologia do Recife (ITER), em Filosofia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), mestre em Sociologia pela mesma universidade e doutorado Interinstitucional em Filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É professor de Filosofia na Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Isso aqui é importante!

Fazer jornalismo independente, ousado e de qualidade é muito caro. A Mangue Jornalismo só sobrevive do apoio das nossas leitoras e leitores. Por isso, não temos vergonha em lhe pedir algum apoio. É simples e rápido! Nosso pix: manguejornalismo@gmail.com

Deixe seu comentário:

Pular para o conteúdo